QUESTÕES

56
Urbanismo > Sistema Viário e Mobilidade Urbana
  • Banca: VUNESP
  • Órgão: SPTRANS
  • Cargo: Arquiteto e Urbanista
  • Ano: 2012
  • Nº: 33

Em um melhoramento viário, foi prevista a retificação e a canalização de um córrego em seção retangular em concreto armado. Com relação aos efeitos dessa solução sobre o funcionamento do sistema de drenagem a jusante, pode-se afirmar que

(A) a aceleração de vazões no trecho canalizado contribuirá para a redução do tempo de concentração e para o aumento de vazões.

(B) a aceleração de vazões no trecho canalizado contribuirá para a diminuição do volume total de água escoado, produzindo redução de vazões.

(C) a formação de remansos decorrente da retificação poderá reduzir as vazões máximas possíveis.

(D) a redução de remansos decorrente da retificação poderá reduzir as velocidades máximas possíveis.

(E) os efeitos da canalização e os da retificação tendem a se compensar, não se verificando grandes alterações no regime de escoamento do córrego.

  • Banca: VUNESP
  • Órgão: SPTRANS
  • Cargo: Arquiteto e Urbanista
  • Ano: 2012
  • Nº: 34

Para a execução de uma pista de um corredor de ônibus foi considerada mais adequada uma solução de pavimento rígido, resistente a solventes e óleo diesel e de elevada resistência mecânica.

Poderá atender a essas condições um pavimento

(A) asfáltico adicionado de borracha de pneus reciclados.

(B) em concreto betuminoso usinado a quente.

(C) em paralelepípedos.

(D) com tratamento primário superficial (solo estabilizado).

(E) em concreto armado.

  • Banca: CESPE
  • Órgão: SESAES
  • Cargo: Arquiteto
  • Ano: 2011
  • Nº: 93

As vias principais e as vias de trânsito rápido devem ter raio de curva interno mínimo de 100 m, para se adequar à velocidade da via, e declividade máxima de 8%, para favorecer a circulação de ônibus. Na via de trânsito rápido, é obrigatória a inclusão de faixa de desaceleração nos retornos. A deflexão permitida para o têiper (trecho de uma via com largura variável, utilizado como transição para faixa de aceleração ou desaceleração) tanto de faixas de aceleração quanto de desaceleração deve ser, no máximo, de 15 graus em relação à via.

Onde não existir sinalização regulamentadora, a velocidade máxima será de:

a) 80 km/h, nas vias de trânsito rápido;
b) 60 km/h, nas vias arteriais;
c) 40 km/h, nas vias coletoras;
d) 30 km/h, nas vias locais.

Com base no texto e na figura acima, julgue os itens que se seguem.


A deflexão permitida para o têiper de faixas de aceleração deve apresentar um ângulo α de 8º.

  • Banca: CESPE
  • Órgão: SESAES
  • Cargo: Arquiteto
  • Ano: 2011
  • Nº: 94

As vias principais e as vias de trânsito rápido devem ter raio de curva interno mínimo de 100 m, para se adequar à velocidade da via, e declividade máxima de 8%, para favorecer a circulação de ônibus. Na via de trânsito rápido, é obrigatória a inclusão de faixa de desaceleração nos retornos. A deflexão permitida para o têiper (trecho de uma via com largura variável, utilizado como transição para faixa de aceleração ou desaceleração) tanto de faixas de aceleração quanto de desaceleração deve ser, no máximo, de 15 graus em relação à via.

Onde não existir sinalização regulamentadora, a velocidade máxima será de:

a) 80 km/h, nas vias de trânsito rápido;
b) 60 km/h, nas vias arteriais;
c) 40 km/h, nas vias coletoras;
d) 30 km/h, nas vias locais.

Com base no texto e na figura acima, julgue os itens que se seguem.


Na via secundária apresentada na figura, a velocidade máxima permitida é de 60 km/h.

  • Banca: CESPE
  • Órgão: SESAES
  • Cargo: Arquiteto
  • Ano: 2011
  • Nº: 95

As vias principais e as vias de trânsito rápido devem ter raio de curva interno mínimo de 100 m, para se adequar à velocidade da via, e declividade máxima de 8%, para favorecer a circulação de ônibus. Na via de trânsito rápido, é obrigatória a inclusão de faixa de desaceleração nos retornos. A deflexão permitida para o têiper (trecho de uma via com largura variável, utilizado como transição para faixa de aceleração ou desaceleração) tanto de faixas de aceleração quanto de desaceleração deve ser, no máximo, de 15 graus em relação à via.

Onde não existir sinalização regulamentadora, a velocidade máxima será de:

a) 80 km/h, nas vias de trânsito rápido;
b) 60 km/h, nas vias arteriais;
c) 40 km/h, nas vias coletoras;
d) 30 km/h, nas vias locais.

Com base no texto e na figura acima, julgue os itens que se seguem.


Na figura acima, a via secundária deverá ter o raio de curvatura mínimo de 100 m.