QUESTÕES

61
Teoria e História da Arquitetura > Arquitetos e Arquiteturas
  • Banca: CESPE
  • Órgão: FUB
  • Cargo: Arquiteto e Urbanista
  • Ano: 2013
  • Nº: 121

PROVA DISCURSIVA
Aplicação: 13/10/2013


 

    O êxito alcançado pelo Museu de Arte Contemporânea (MAC), de Oscar Niemeyer, inaugurado em 1996, norteou a construção de uma série de obras, batizadas de Caminho Niemeyer. Com implantação às margens da baía de Guanabara, o projeto tem como ponto de partida uma grande praça junto ao mar. Nela está, entre outros, o Teatro Popular, acima ilustrado.

    Construído em concreto armado, o Teatro Popular (2007) é uma grande cobertura curva, que se origina nas empenas do edifício. Do térreo, parte uma rampa helicoidal, também de concreto armado, que conduz o visitante ao foyer do auditório, com capacidade para quatrocentos lugares e acesso situado no piso superior.

    As fachadas do edifício receberam diferentes soluções. Na área do foyer, adotou-se um grande pano de vidro com portas antipânico e sanca de iluminação revestida com painel de alumínio (Figura III). A face noroeste, voltada para a baía de Guanabara, tem envidraçamento duplo com brises internos, enquanto a oposta a esta (fachada sudeste) recebeu acabamento em azulejo amarelo e pinturas do próprio arquiteto.

Tendo as imagens e o fragmento de texto acima como referência inicial, redija um texto dissertativo acerca do Teatro Popular, de Oscar Niemeyer, construído em Niterói e integrante do Caminho Niemeyer. Ao elaborar seu texto, aborde, necessariamente, os seguintes aspectos:

  • a obra de Oscar Niemeyer, curvas e retas no Teatro Popular; [valor = 6,00 pontos]
  • eficiência térmica do brise-sanduíche em forma de colmeia entre vidros; [valor= 6,50 pontos]
  • laje curva na cobertura e o desempenho acústico do auditório em questão. [valor= 6,50 pontos]

Observação: Folha resposta de 30 linhas.


PADRÃO DE RESPOSTA

Quesito 1
Os elementos enfatizados no detalhe 1 refletem o espaço interno com o desnível do auditório, reto, que se contrapõe à sinuosidade da cobertura. Esta nasce em ângulo na fachada sudoeste e acaba, no outro extremo (fachada nordeste), infletindo para a vertical para formar um angulo de 90º em relação ao solo. Isso foi necessário, para permitir aí uma abertura do palco que dá para a área externa, onde poderão ocorrer espetáculos ao ar livre. O trabalho de Oscar Niemayer, nesta obra, mais uma vez, está carregado de emoção ao tratar o objeto arquitetônico com delicadeza e sinuosidade.

Quesito 2
O vidro duplo que contém uma colmeia em seu interior proporciona uma proteção à incidência direta da luz solar sem obstruir totalmente a luz. É o princípio do brise soleil que esta sendo empregado aqui. Mas a eficiência de um verdadeiro brise é maior, pois as lâminas, quando não estão contidas entre duas chapas de vidro, trabalham externamente, desprendendo o calor que é dissipado por convecção. Ou seja, outros valores da arquitetura falaram mais alto nessa opção. De qualquer maneira, o vidro duplo é recuado em relação à cobertura e à fachada, ficando menos exposto à radiação do que um pano de vidro explícito na fachada.

Quesito 3
Quanto à acústica, o vidro duplo protege a entrada de som no auditório por meio do efeito chamado de massamola- massa. Ou seja, o ar contido entre as duas lâminas anula as ondas sonoras oriundas do exterior. Internamente, tanto a curva da laje de cobertura quanto o refletor existente acima do palco – como mostra a figura V – ajudam a direcionar a voz do palco para a arquibancada.

  • Banca: CESPE
  • Órgão: TRT-8
  • Cargo: Analista Judiciário Arquitetura
  • Ano: 2013
  • Nº: 2

Durante o período do Barroco Romano, que ocorreu no pontificado de Nicolau V, promoveu-se o esplendor exuberante da arquitetura, juntamente com os grandes eixos urbanos monumentais. Entre os arquitetos que contribuíram para esse acontecimento, incluem-se

A) Palladio e Borromini.
B) Bernini e Bruneleschi.
C) Bernini e Borromini.
D) Rafael Sanzio e Leonardo da Vinci.
E) Alberti e Vitruvius.

  • Banca: CESPE
  • Órgão: TJ-AL
  • Cargo: Analista Judiciário Arquitetura
  • Ano: 2012
  • Nº: 61

PROVA DISCURSIVA

• Na prova a seguir, faça o que se pede, usando, caso deseje, o espaço para rascunho indicado no presente caderno. Em seguida, transcreva o texto para a FOLHA DE TEXTO DEFINITIVO DA PROVA DISCURSIVA, no local apropriado, pois não serão
avaliados fragmentos de texto escritos em locais indevidos.
• Qualquer fragmento de texto que ultrapassar a extensão máxima de linhas disponibilizadas será desconsiderado.
• Na folha de texto definitivo, identifique-se apenas no cabeçalho da primeira página, pois não será avaliado texto que tenha qualquer assinatura ou marca identificadora fora do local apropriado.
• Ao domínio do conteúdo serão atribuídos até dez pontos, dos quais até um ponto será atribuído ao quesito apresentação e estrutura textual (legibilidade, respeito às margens e indicação de parágrafos).



    A nova sede do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT/BA) é um complexo constituído por oito edificações. Os prédios serão implantados em terreno densamente arborizado, cuja topografia, em forma de vale, apresenta desnível, em torno de 30 metros, em relação à cota da via circundante. Desse modo, as características marcantes do terreno motivaram a adoção de um partido arquitetônico que se define pela mínima intervenção no lote.
    O projeto, de autoria do arquiteto João Filgueiras Lima, Lelé, composto por edifícios com até oito pavimentos, é formado por quatro edificações abaixo e quatro acima da cota pública envoltória, o que possibilitou que caminhos suspensos fossem criados para interligar as construções. Atente-se para o fato que os prédios do TRT/BA foram planejados em estrutura metálica, cujos apoios estarão restritos aos núcleos de circulação vertical, com a finalidade de minimizar as movimentações de terra.



Considerando o texto acima, que apresenta descrição resumida do projeto arquitetônico do TRT/BA, e tendo por base, ainda, as figuras de I a V, em que estão evidenciados os princípios que norteiam o sistema construtivo em pré-moldados de aço, elabore um texto dissertativo que analise o projeto arquitetônico apresentado. Em seu texto aborde, necessariamente, os seguintes aspectos:

  • descrição do sistema construtivo da racionalização e da modulação; [valor: 3,00 pontos]
  • níveis de acesso e de circulação, implantação em terreno acidentado e movimentação de terra; [valor: 3,00 pontos]
  • uma proposta de paisagismo possível. [valor: 3,00 pontos]

(trinta linhas) 

  • Banca: CESPE
  • Órgão: TRT-10
  • Cargo: Analista Judiciário Arquitetura
  • Ano: 2012
  • Nº: 121

PROVA DISCURSIVA

  • Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso deseje, o espaço para rascunho indicado no presente caderno. Em seguida, transcreva o texto para a FOLHA DE TEXTO DEFINITIVO DA PROVA DISCURSIVA, no local apropriado, pois não serão avaliados fragmentos de texto escritos em locais indevidos.
  • Qualquer fragmento de texto que ultrapassar a extensão máxima de linhas disponibilizadas será desconsiderado.
  • Na folha de texto definitivo, identifique-se apenas na primeira página, pois não será avaliado texto que tenha qualquer assinatura ou marca identificadora fora do local apropriado.
  • Ao domínio do conteúdo serão atribuídos até 10,00 pontos, dos quais até 0,50 ponto será atribuído ao quesito apresentação e estrutura textual (legibilidade, respeito às margens e indicação de parágrafos).

Burle Marx levou para o paisagismo o ideário da arte e arquitetura modernas ao rejeitar as flores exóticas com que o país compunha seus jardins públicos e particulares e trazer para as praças a, antes desprezada, vegetação nativa. Ele compôs jardins e praças como quem cria obras de arte, pensando na topografia, no meio ambiente, na arquitetura e na plasticidade. O paisagista que fazia arte moderna com matéria-prima viva — além de ser ceramista, gravurista, tapeceiro, designer de joias, pintor, músico — deixou em Brasília as marcas de sua genialidade: alguns dos melhores exemplos de preservação e manutenção são a Praça dos Cristais e os jardins internos e externos do Palácio do Itamaraty. "As estruturas estão preservadas e apenas há uma ou outra espécie que foi trocada, mas é possível recuperar as originais", avalia o paisagista Haruyosho Ono, 63 anos, que cuida da preservação da obra do artista. A Praça dos Cristais foi restaurada pelo Quartel-General do Exército. 

Internet:<www.correiobraziliense.com.br> (com adaptações).

A Praça dos Cristais — uma praça cívica de Burle Marx e Haruyosho Ono, localizada nas imediações do Quartel-General do Exército, de autoria de Oscar Niemeyer — é assim denominada porque durante sua construção, iniciada em 1965, Burle Max e seu assistente, o arquiteto e paisagista Haruyosho Ono, realizaram uma viagem para a cidade de Cristalina, onde encontraram muitos cristais de rocha. Na oportunidade, Roberto Burle Marx solicitou a Haruyosho que desenhasse as peças para o espelho d'água principal, representando assim as riquezas existentes no Planalto Central.

Internet:<www.pmb.eb.mil.br> (com adaptações).





Considerando os textos apresentados, que têm caráter unicamente motivador, bem como as figuras que a eles se seguem, redija um texto dissertativo sobre a Praça dos Cristais em Brasília, abordando, necessariamente, os seguintes aspectos:

  • valorização das riquezas naturais e espécies vegetais nativas das regiões pela arquitetura; [valor: 3,50 pontos]
  • importância de Burle Marx como paisagista e artista; [valor: 3,00 pontos]
  • integração da arquitetura moderna com as artes na obra de Oscar Niemeyer. [valor: 3,00 pontos]

(trinta linhas) 

  • Banca: CESPE
  • Órgão: TRT-8
  • Cargo: Analista Judiciário Arquitetura
  • Ano: 2013
  • Nº: 1

O croqui acima representa o projeto do complexo arquitetônico de São Pedro, no Vaticano, com seus vários períodos urbanos. Com base nesse croqui, assinale a opção na qual há a correta associação numérica entre a estrutura correspondente à intervenção do período maneirista italiano e o seu autor

A) 1 – praça de São Pedro; Bernini
B) 3 – cúpula; Michelângelo
C) 2 – basílica; Carlo Maderno
D) 1 – praça de São Pedro; Borromini
E) 2 – basílica; Michelângelo